quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Exclusivo: arquiteta de Alcaçuz revela que requesitos de segurança foram ignorados; presídio estava previsto para ser construído nas terras rochosas de Macaíba.

Fonte:blog.flaviomarinho.

A Folha de São Paulo publica nesta quinta-feira matéria, em inglês, dos correspondentes Landro Machado e Avener Prado, que trás novas revelações sobre a construção do presídio de Alcaçuz, nas dunas de Nízia Floresta.

A reportagem, intitulda “Prisão construída em areia no Rio Grande do Norte, ideal para escapar e esconder armas”, diz que a unidade prisional foi baseada em uma tese elaborada por dois estudantes de arquitetura da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e que o projeto original previa erguer um presídio não em Alcaçuz, “mas sim nas terras rochosas da cidade de Macaíba – que fica a 14 km de Natal”.

O texto acrescenta ainda que “a forma como a prisão foi construída permitiu prisioneiros para esconder armas e escavar túneis de escape através da areia”.

Os correspondentes ouviram ainda as duas arquitetas de Alcaçuz – uma delas, Rosanne Azevedo de Albuquerque, 50 anos, atualmente professora universitária, reconhece que a prisão tem várias falha, mas que essas falhas não dizem respeito às dunas.

Ela denuncia que “vários requisitos de segurança foram ignorados, como fundações sólidas e paredes reforçadas”.

O projeto pedia pisos de concreto grosso e barras de ferro, os quais não foram implementados.

Por ocasião da conclusão da obra de Alcaçuz, nem a arquiteta Rosanne Azevedo, nem a colega que participou do projeto, Lavínia Negreiros, foram convidadas para a inauguração, em 1998.

Um detalhe dos mistérios que cercam a construção de Alcaçuz chama a atenção: as arquitetas Rosanne Azevedo e Lavínia Negreiros só foram autorizadas a visitar o canteiro de obras no início.

        BLOGUE SÃO TOMÉ NA MÍDIA.
            lhe informando melhor.


EmoticonEmoticon

Arquivo do blog